Respostas a 7 perguntas que lhe ajudarão a saber mais das varizes.

1-O que são as varizes?

As varizes são veias dilatadas e tortuosas e facilmente identificáveis por se localizarem debaixo da pele. 

Para muitas pessoas, as varizes e vasinhos (uma variação mais leve de varizes) são uma preocupação puramente estética. Para outras pessoas, varizes podem causar dor, desconforto e até mesmo problemas mais graves, como aumentar o risco de doenças circulatórias. O tratamento pode envolver medidas de autocuidado ou procedimentos para fechar ou remover as veias.


2-Quais são as causas das varizes?

Existem diversas causas para o aparecimento de varizes. Uma delas é fraqueza congénita ou herdada das paredes das veias, que as torna facilmente dilatáveis pela pressão natural do sangue. A exposição ao calor, o sedentarismo, passar-se permanecer muito tempo de pé e o excesso de peso são outros fatores que podem favorecer o aparecimento de varizes. O próprio processo de envelhecimento é um fator de agravamento deste problema.

3-Quais são os principais sintomas de doença venosa crónica?

A dor é a principal queixa, que se pode manifestar através da sensação de pernas pesadas e cansadas, cãibras, dormência e comichão. Pode ainda verificar-se inchaço, sobretudo nos tornozelos e pés, que se intensifica ao final do dia ou quando ocorre uma exposição prolongada ao calor.

 4-Como se diagnosticam as varizes?

O médico pode detetar as varizes através da observação clínica e, para determinar o seu estádio, pode realizar-se um doppler ou eco doppler, exames não dolorosos nem invasivos que devem ser efetuados por um especialista.

5-As varizes podem ser graves?

Quando surgem alterações na cor e consistência da pele e esta se torna acastanhada, descamativa e endurecida, estes podem ser os sinais precursores de uma úlcera varicosa, situação clínica incapacitante, de difícil tratamento, e com impacto significativo na imagem e autoestima.

6-Atualmente, que tratamentos existem para as varizes?

Alguns cuidados, como fazer exercícios, elevar as pernas ou usar meias de compressão, podem ajudar a aliviar a dor das varizes e impedir complicações. Mas, se os sintomas não passarem após essas medidas ou há preocupação com relação às complicações das varizes, busque ajuda médica.

O tratamento deve ser feito por um especialista em Angiologia/Cirurgia Vascular.

A terapêutica conservadora abrange os cuidados diários de hidratação da pele, a administração de fármacos flebotónicos (que ajudam a circulação venosa) e o uso de meias elásticas ou ligaduras.

No grupo dos tratamentos não conservadores incluem-se a escleroterapia (injeta-se uma substância que vai destruir o vaso), a laserterapia (transcutânea ou endovascular), a radiofrequência e a cirurgia clássica (“Stripping”). De acordo com cada caso, o médico fará a opção terapêutica mais adequada.

7-A Doença Venosa Crónica pode ser prevenida?

Para evitar o aparecimento de varizes, adote estas medidas no seu dia-a-dia:

Hidrate o corpo diariamente;

Não use calças de ganga muito justas, ligas, cintas, meias que sejam muito apertadas na zona do tornozelo ou botas apertadas;

Não esteja muito tempo de pé, parado/a. Caminhe um pouco ou ponha-se em bicos de pés várias vezes;

Evite estar muito tempo sentado e com as pernas cruzadas, especialmente se as cadeiras tiverem um rebordo duro. Movimente as pernas regularmente;

Não tome banho com água muito quente;

Evite o excesso de peso, o tabaco e as bebidas alcoólicas;

Evite a exposição prolongada ao calor. Na praia, tente caminhar à beira-mar;

Nos dias mais quentes, massaje as pernas com água fria utilizando o chuveiro, de baixo para cima, durante cerca de 2 minutos;

Consulte um especialista em Cirurgia Vascular se tiver algum destes sintomas: dor, sensação de pernas pesadas e cansadas, cãibras, dormência, comichão ou inchaço que se agrava ao final do dia ou quando ocorre uma exposição prolongada ao calor.


A continuação mostrámos fotos de dois pacientes atendidas em Clínica Máxima Estética:





-------------------------------------------------------------------------------------

Parte deste artigo foi tomado de CUF: https://www.saudecuf.pt



Comentários (0)

Deixe um comentário